"É preciso que todos os homens permaneçam seres humanos durante todo o tempo em que estiverem vivos." Simone de Beauvoir

2 de dez de 2014

Artigo: Programas de exercícios para pessoas com demência

A demência é uma grave perda de capacidade cognitiva global, além do que poderia ser esperado de envelhecimento normal, e é mais comumente diagnosticado entre pessoas com mais de 65. É cada vez mais comum com o envelhecimento da população em todo o mundo, e esse número de pessoas que sofrem de demência deve aumentar drasticamente. Isto não só irá afetar a qualidade de vida dessas pessoas, mas também aumentar a carga sobre os familiares, assistências comunitárias e serviços de cuidados residenciais.
Existem vários potenciais mecanismos que correlacionam os programas de exercícios com a função cognitiva, incluindo a função vascular melhorada, que estão associados à manutenção da perfusão cerebral - ou seja, o equilíbrio entre a oferta e demanda de nutrientes para o cérebro. Como resultado, o exercício é um fator que tem sido identificada como um meio potencial de reduzir ou retardar a progressão dos sintomas de demência.
A Cochrane Collaboration publicou recentemente uma revisão sobre os benefícios de programas de exercícios para idosos com demência.
Dezesseis ensaios com 937 participantes preencheram os critérios de inclusão.
Os estudos incluídos foram altamente heterogêneos em termos de subtipo e gravidade da demência dos participantes, e tipo, duração e frequência do exercício. Apenas dois ensaios incluíram participantes que vivem em casa.
Os achados sugerem que programas de exercício pode ter um impacto significativo na melhoria do funcionamento cognitivo e realização das AVD’s (atividades da vida diária).
No entanto, apenas um estudo foi incluído na análise do efeito do exercício sobre os comportamentos agressivos e sobrecarga do cuidador, e não foram concluídas análises para os seguintes resultados: mortalidade, qualidade de vida do cuidador, mortalidade do cuidador e uso de serviços de saúde.
Há evidências promissoras que programas de exercício podem ter um impacto significativo na melhoria da capacidade de realizar as AVD’s e, possivelmente, em melhorar a cognição em pessoas com demência, embora recomenda-se cautela na interpretação desses resultados. Os programas não revelaram qualquer efeito significativo sobre os comportamentos agressivos ou depressão.

Referência:
-Forbes et al., Cochrane Database Syst Rev 2013 (2014) .
Link: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24302466
Todos os direitos reservados a: Cochrane Collaboration.
Traduzido por Raphael Vianna