"É preciso que todos os homens permaneçam seres humanos durante todo o tempo em que estiverem vivos." Simone de Beauvoir

1 de set de 2017

V Congresso Internacional de Envelhecimento Humano

O Congresso Internacional de Envelhecimento Humano (CIEH), com realização bianual, teve sua primeira edição em 2007. O evento foi criado tendo como objetivo oportunizar a estudantes, profissionais e pesquisadores, discussões acerca da longevidade, das transformações dos impactos e perspectivas para o envelhecimento bem sucedido; fomentar a divulgação científica e o intercâmbio entre os participantes e instituições interessadas na temática do envelhecimento e estimular a produção de conhecimento na perspectiva da transdisciplinaridade.  O CIEH é um evento científico que engloba atividades que possibilitam o debate entre os participantes através de conferências, palestras, mesas redondas, apresentação de trabalhos, atividades culturais, dentre outras, com um amplo acesso as diversas formas de informação acerca do envelhecimento e uma grande oportunidade de troca de experiências. O evento supera as expectativas a cada edição. Em 2007 contou com 1300 participantes e cerca de 600 trabalhos submetidos, até atingir a marca de 2100 congressistas efetivamente credenciados e 1200 trabalhos apresentados em sua quarta edição, realizada em 2015.  
Participem do V CONGRESSO INTERNACIONAL DE ENVELHECIMENTO HUMANO na cidade de Maceió - Alagoas.  

1 de out de 2015

Idosos ou Velhos??? 1º de Outubro _ Dia Internacional do Idoso

"Idosa é uma pessoa que tem muita idade. Velha é a pessoa que perdeu a jovialidade. A idade causa degenerescência das células. A velhice causa a degenerescência do espírito. Por isso nem todo idoso é velho, e há o velho que ainda nem chegou a ser idoso.

Você é idoso quando sonha. É velho quando apenas dorme.

Você é idoso quando ainda aprende. É velho quando já nem ensina.

Você é idoso quando pratica esportes, ou, de alguma outra forma, se exercita. É velho quando apenas descansa.

Você é idoso quando ainda sente amor. É velho quando só tem ciúmes e sentimento de posse.

Você é idoso quando o dia de hoje é o primeiro do resto de sua vida. É velho quando todos os dias parecem o último da longa jornada.

Você é idoso quando seu calendário tem amanhãs. É velho quando seu calendário só tem ontens.

O idoso é aquela pessoa que tem tido a felicidade de viver uma longa vida produtiva, de ter adquirido uma grande experiência. Ele é uma ponte entre o passado e o presente, como o jovem é uma ponte entre o presente e o futuro. E é no presente que os dois se encontram.

Velho é aquele que tem carregado o peso dos anos, que em vez de transmitir experiência às gerações vindouras, transmite pessimismo e desilusão. Para ele, não existe ponte entre o passado e o presente, existe um fosso que o separa do presente pelo apego ao passado.

O idoso se renova a cada dia que começa. O velho se acaba a cada noite que termina.

O idoso tem seus olhos postos no horizonte de onde o sol desponta e a esperança se ilumina. O velho tem sua miopia voltada para os tempos que passaram. O idoso tem planos. O velho tem saudades.

O idoso curte o que resta da vida. O velho sofre com o que o aproxima da morte.

O idoso se moderniza, dialoga com a juventude, procura compreender os novos tempos. O velho se emperra no seu tempo, se fecha em sua ostra e recusa a modernidade.

O idoso leva uma vida ativa, plena de projetos e de esperanças. Para ele o tempo passa rápido, mas a velhice nunca chega. O velho cochila no vazio de sua vida e suas horas se arrastam destituídas de sentido.

As rugas do idoso são bonitas porque foram marcadas pelo sorriso. As rugas do velho são feias porque foram vincadas pela amargura.

Em resumo, idoso e velho, são duas pessoas que até podem ter a mesma idade no cartório, mas têm idade bem diferente no coração.

A vida, com suas fases, é uma experiência constante. Cada fase tem seu encanto, sua doçura e suas descobertas. Sábio é aquele que desfruta de cada uma das fases em plenitude, extraindo dela o melhor. Somente assim, na soma das experiências e oportunidades, ao final dos seus anos, guardará a jovialidade de um homem sábio.

Se você é idoso, guarde a esperança de nunca ficar velho."


Remédio adesivo para Parkinson chega ao Brasil

Boa notícia para pacientes com a doença de Parkinson, doença que afeta o sistema motor e provoca rigidez e tremores.
Chegou ao Brasil um medicamento em forma de adesivo, o primeiro tratamento transdérmico para doença.
Aplicado sobre a pele, o Neupro libera a medicação de forma estável e contínua durante de 24 horas.
As vantagens são que ele evita que o paciente esqueça de tomar o medicamento na hora certa e substitui até 8 comprimidos que os doentes mais graves são obrigados a tomar.
Por ser adesivo, o remédio entra direto pela pele, sem passar pelo trato gastro-intestinal, o que poderia causar náuseas.

Efeito

O medicamento é um agonista dopaminérgico, o que significa que age diretamente nos receptores de dopamina, um neurotransmissor responsável pelos movimentos. Assim, é eficaz no controle dos distúrbios motores.
Mais de 190 mil pacientes já são tratados com Neupro em todo o mundo.
Ele está disponível em 40 países e é produzido pelo laboratório UCB, de Bruxelas, na Bélgica.

Como aplicar

O paciente tem que aplicar o adesivo sobre a pele limpa, seca e saudável nas áreas dos ombros, braços ou abdômen e deixá-lo por 24 horas no mesmo local.
Ao substituir por outro adesivo, deve aplicá-lo em um local diferente.
O Neupro pode ser utilizado tanto na fase inicial, quanto nas mais avançadas da doença de Parkinson.
Quanto antes o paciente for diagnosticado e começar o tratamento, melhores serão os resultados.
O valor do medicamento não foi divulgado.

4 de jun de 2015

Exercícios físicos na osteoartrose

A osteoartrose é uma doença articular crônico-degenerativa que se evidencia pelo desgaste da cartilagem articular. Clinicamente, a osteoartrose caracteriza-se por dor, rigidez matinal, crepitação óssea, atrofia muscular e quanto aos aspectos radiológicos é observado estreitamento do espaço intra-articular, formação de osteófitos, esclerose do osso subcondral e formações císticas.
O período mais comum de início do desenvolvimento da afecção é entre 50 e 60 anos. Estima-se que entre a população acima de 65 anos, aproximadamente 12% tendem a ter osteoartrose sintomática, que é caracterizada principalmente por relato doloroso principalmente em períodos matinais em uma ou mais articulações do corpo. A incidência da osteoartrose sintomática aumenta com a idade e com o peso corporal. As articulações do joelho, as interfalângicas distais, carpometacárpicas e as articulações facetárias são as mais afetadas.
Atualmente, os exercícios físicos vêm sendo utilizados tanto no tratamento quanto na prevenção de diversas patologias crônico-degenerativas, entre elas a osteoartrose. Terapia física local, reabilitação, exercícios, redução dos fatores mecânicos sobre a articulação e ainda terapias alternativas podem proporcionar à pessoa acometida melhorias no quadro álgico e manutenção da função articular, o que reflete principalmente no ganho de qualidade de vida dessas pessoas. 
A fisioterapia também está entre uma das formas de terapia física de tratamento para a osteoartrose e, quando bem indicada, oferece excelentes respostas. 
 As principais situações que indicam o emprego de exercícios físicos no tratamento da osteoartrose são: 
  • dor e rigidez articular;
  • perda da mobilidade articular sem destruição importante da articulação;
  • desalinhamento articular ou uso anormal da articulação;
  • sintomas de fraqueza muscular;
  • fadiga e resistência cardiovascular reduzida; 
  • alterações da marcha e do equilíbrio. 
Exercícios físicos regulares reduzem os marcadores inflamatórios no organismo tanto em adultos jovens quanto em idosos. Além disso, pacientes sedentários apresentam níveis mais elevados de inflamação. Para que se tenha o máximo efeito anti-inflamatório, atividades aeróbicas e de resistência são fundamentais. Como os exercícios causam uma redução sistêmica na inflamação, supõe-se que a inflamação dentro da articulação também diminua. Apesar de isto ser  "provavelmente" verdadeiro, ainda não existe comprovação científica.
Então, quais seriam as outras explicações para a melhora nos sintomas de artrose em pacientes que realizam atividades físicas? 
Além da suposta redução na atividade inflamatória da articulação com artrose, exercícios regulares adequados também reduzem o estresse mecânico ao fortalecer a musculatura e estimular a produção do líquido sinovial, o qual age como um "lubrificante" e nutre a cartilagem articular. Também, a sensibilidade a estímulos dolorosos diminui durante e após atividades físicas.
Conhecer a patologia e seu tratamento a partir dos exercícios físicos é indispensável para que o profissional de saúde aplique e elabore uma melhor conduta, com o intuito de proporcionar à pessoa acometida uma melhoria, principalmente no que se refere ao quadro sintomatológico e, consequentemente, proporcionar melhorias na sua qualidade de vida.


* Rezende UM, Hernandez AJ, Camanho GL, Amatuzi MM. Cartilagem articular e osteoartrose. Acta Ortop Bras. 2000.
* Coimbra IB, Pastor EH, Greve JMDA, Puccinelli MLC, Fuller R, Cavalcanti FS, et al. Consenso Brasileiro para o tratamento de Osteoartrite (Osteoartrose). Rev Bras Reumatol. 2002.
* Rejaili WA, Chueire AG, Cordeiro JA, Petean FC, Filho GC. Avaliação do uso do Hylano GF-20 no pós-operatório de artroscopia de joelho por artrose. Acta Ortop Bras. 2005.
* Camanho GL. Tratamento da osteoartrose do joelho. Rev Bras Ortop. 2001.
* Duarte VS, Santos ML, Rodrigues KA, Ramires JB, Arêas GPT, Borges GF. Exercícios físicos e osteoartrose: uma revisão sistemática. Fisioter Mov. 2013.